Fimec 2021

Governo do RS oficializa mudanças tributárias aos setores calçadista, microcervejeiro e outros

Empresas que optarem pelo novo sistema de tributação terão alíquota de 4% em vez de 12%

Governo do RS oficializa mudanças tributárias aos setores calçadista, microcervejeiro e outros

Um presente de Natal que injeta ânimo nas indústrias calçadistas gaúchas. Assim, a assinatura do decreto que altera o sistema de tributação do calçado e fixa em 4% a alíquota de ICMS foi resumida pelos empresários e lideranças que acompanharam o ato na manhã desta sexta-feira (27) no Palácio Piratini, em Porto Alegre.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, frisa que não vamos ficar assistindo os outros estados a darem benefícios aos setores que somos vocacionados. “A palavra da ordem é competitividade, é permitir que o Estado tenha condições de competir com outros Estados e países. O setor coureiro-calçadista teve um ano de crescimento no setor no Rio Grande do Sul, tem emprego de mão-de-obra intensiva e estamos bastante confiantes no desenvolvimento dessas empresas com a geração de empregos. Estamos dizendo para essas empresas ficarem no Estado que vamos garantir condições de competitividade”, afirma Leite.

Ele ainda salienta que o decreto para a indústria calçadista é o resultado de um pacto setorial para estimular a economia. O documento assinado pelo governador entra em vigor em 1 de abril de 2020 e permite que as indústrias optem por uma nova alternativa de tributação do ICMS para a indústria calçadista. As empresas que aderirem terão alíquota de 4% ao invés dos atuais 12%. Além disso, estão previstas algumas contrapartidas, entre elas, a manutenção de 90% dos empregos dos últimos 12 meses, a utilização de, no mínimo, 50% dos insumos gaúchos, e 100% das importações.

O presidente do Sindicato das Indústrias de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas (Sictc), Joel Brando Klippel, que é um dos líderes do Movimento #ICMSIGUALPARATODOS, conta que com este novo modelo de tributação a redução no valor do produto final do calçado gaúcho pode baixar de 5 a 10%. “Definimos esse dia como a ressurreição, voltamos para o cenário nacional com a força que nunca deveríamos ter perdido. O decreto terá duração de um ano e temos que ser efetivos no crescimento e na retomada de empresas no Estado”, fala Klippel, ao frisar que existe a preocupação no setor de que esse pacto não se extingue em 12 meses. 

O presidente do Sindicato da Indústria de Calçados de Dois Irmãos, Morro Reuter e Santa Maria do Herval, Paulo Vicente Bender, destaca que esse novo sistema vai trazer um novo cenário para o empresário. “Esse modelo vai parar o assédio que nossas empresas recebem de outros Estados”, salienta, ao revelar que agora já dá, inclusive, para voltar a pensar a investir.

Além do decreto que beneficia o setor calçadista, o governador Eduardo Leite concedeu benefício por meio de mudanças tributárias para mais quatro cadeias da economia gaúcha. São elas: de microcervejaria, cereais, fabricação de estruturas metálicas e eletroeletrônicos.

Fonte: Jornal NH – Foto: Nicolle Frapiccini/GES-Especial

Mais Notícias

18 Set 2020

Participe do Brazilian Leather Webinar Series

CONTINUE LENDO
14 Set 2020

Abicalçados firma parceria com plataforma de soluções para ...

CONTINUE LENDO
VER TODAS NOTÍCIAS
Patrocínio
Apoio
Apoio Institucional
Apoio Institucional
Realização